Anotações de Viagem

outubro 22nd, 2014

Salto Morato, uma beleza singular

Fotos: Panorama do Turismo e Maurício Mercersalto morato-cascataSalto Morato: reserva natural de incomparável beleza.

O segundo dia da nossa aventura ecológica pelas reservas naturais de Guaraqueçaba nos reserva uma vista maravilhosa oferecida pela Natureza. Mas se você que está acompanhando essa série de reportagens imagina que aquela estrada que liga Morretes a Guaraqueçaba não tem como ficar pior, enganou-se. A estrada de pouco mais de seis quilômetros até a reserva natural de Salto Morato consegue ser ainda mais complicada. Em alguns momentos parece que vai acabar de tanto que se afunila.

Na boléia, “seu” Renato dá conta do recado. E pode ter certeza de uma coisa: em pouco tempo, assim que você chegar ao portal de entrada do parque, a estrada foi esquecida. Toda e qualquer dificuldade anterior fica para trás, diante das belezas naturais que nos cercam.

Antes de chegar ao portal passamos por uma pequena comunidade, que deu o nome ao local. A Comunidade Morato. Contam algumas histórias que, no passado, morava ali um grupo de pessoas bem mais “integradas” à natureza. Não era um campo de nudismo, mas as pessoas nadavam nos riachos nus e não havia muita preocupação com isso. Mesmo porque é um local perdido nos confins de uma floresta, na base de uma pequena montanha. Era o que se chamava de “comunidade alternativa”. Essas pessoas desapareceram do local e nunca mais se ouviu falar sobre elas.

A floresta nos recebe com um calor peculiar. Abafado, molhado. Tivemos sorte porque o clima nos ajuda. O dia está nublado e não muito quente. No verão – meses de dezembro, janeiro e fevereiro – há dias de calor quase insuportável. E mosquito.

Não é o que acontece neste nosso dia de visita. Está abafado, mas isso é normal e comum em florestas tropicais. E nos aventuramos numa trilha (auto-guiada, ou seja, você pode percorrê-la sozinho) de pouco mais de 1,5 quilômetros.

No caminho, pontes e riachos de águas cristalinas. E torneiras com pequenas placas indicando que a água é potável. Dá prá dizer que você bebeu água do Salto Morato (Rio Morato), se não souber que a água que jorra das torneiras é do rio Engenho, que corre bem perto. Mas a água do Morato também pode ser consumida.

De repente, entre as árvores, a primeira visão da cachoeira de mais de 100 metros de altura. É o Salto Morato, uma maravilha da natureza que muitos pagam para ver (o ingresso no parque custa R$ 7 por pessoa).

E vale a pena. Porque a imagem e a sensação de estar naquele local são indescritíveis. A imagem você pode ver nas fotografias e nas filmagens, mas não é a mesma coisa do que estar lá. Rochas gigantescas estão ao pé da montanha e alguém mais imaginativo pode pensar que elas devem ter compartilhado aquela região com animais pré-históricos, dinossauros, etc, antes e depois de terem despencado lá de cima. E tem o barulho da água caindo, que se sobrepõe a qualquer outro ruído. Não se houve pássaros. A água é a única atração, visual e auditiva.

A Reserva Natural de Salto Morato se insere num mosaico de unidades de conservação no Paraná, como a APA Federal de Guaraqueçaba, o Parque Nacional do Superaguí, a Estação Ecológica de Guaraqueçaba, a APA Estadual de Guaratuba, as Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNS) da Cachoeira, do Itaqui, do Morro da Mina e do Sebuí.

A Reserva Natural do Salto Morato tem área de 2.253 hectares e fica na Área de Proteção Ambiental (APA) de Guaraqueçaba.  A empresa Boticário tem, ainda, a Reserva Natural do Tombador, em Cavalcante, interior de Goiás, contribuindo para a proteção do entorno do Parque Nacional Chapada dos Veadeiros.

Em 1999, a reserva do Morato foi reconhecida pela Unesco como Sítio do Patrimônio Natural da Humanidade, e hoje é considerada referência em manejo de reserva natural.

É claro que sua biodiversidade atrai o interesse de diversos pesquisadores. Mais de 80 pesquisas já foram realizadas nas reserva, incluindo teses de doutorado, dissertações de mestrado e monografias de especialização em assuntos como biologia e ecologia, entre outros.

Lembre-se: o ingresso custa R$ 7,00 e não pode ser pago com cartão.

 

Para ver o vídeo, clique aqui: salto morato narrativa

Veja também: seleção de fotos da viagem